Unidades de Educação da Santa Casa se adaptam ao ensino à distância

A medida mais eficaz para conter o avanço da Covid-19 é o isolamento social, e esse cenário atual de pandemia acabou evidenciando a importância do ensino à distância (EAD). Por enquanto, o processo de aprendizagem terá que ser totalmente virtual. Além dos três educandários voltados à Assistência Social, a Santa Casa mantém duas unidades que oferecem Educação Regular e que precisaram se adaptar e preparar conteúdos específicos para este momento.

“Na segunda quinzena de março, fomos pegos de surpresa com a recomendação de ficarmos em casa, para reduzir o contágio. Foi tudo muito novo, ninguém sabia muito bem o que fazer. Sinalizei às diretoras que começassem a pensar em um plano B”, conta a gerente de Educação e Assistência Social da Santa Casa Recife, Esmeralda Moura. Ela acrescenta que o esforço é para que as crianças não fiquem ociosas e para que não percam o ano letivo: “Queremos assegurar o conteúdo, da forma como for mais proveitoso, dentro da realidade dessas famílias, que vivem em situação de vulnerabilidade social”.

A pandemia antecipou as férias escolares de julho para abril. Enquanto isso, as diretoras do Educandário São Joaquim, em Jaqueira (PE), e do Colégio Santa Luísa de Marillac, no bairro do Parnamirim, Recife, começavam a traçar os planos perante a nova realidade. “Estamos focando em atividades que possam exercitar a criatividade e as habilidades deles. É um formato pouco convencional para nós, mas estamos sendo impulsionados a desenvolver”, afirma Jane Pedrosa, diretora do Educandário São Joaquim.

De volta ao trabalho, em maio, os professores se viram diante de um grande desafio. Longe das salas de aulas e da interação física com as crianças, eles têm usado a criatividade e os recursos disponíveis a favor da educação. Mas muitos sequer tinham prática com aulas virtuais ou intimidade com as câmeras. “A tentativa de gravar um vídeo era muito frustrante. E eu sou muito perfeccionista, não aceitava a minha imagem. Foi difícil, mas está saindo. Cada dia a aula fica melhor. Tudo isso em prol dos nossos alunos”, confessa a professora Cristina Melo, que ensina no Colégio Santa Luísa de Marillac.

No São Joaquim, as aulas de Educação Física, com o professor Edmilson, têm atraído até os pais para as atividades feitas em casa. Já no Marillac, a “tia Cau” vem caprichando nas estorinhas para entreter os pequenos do Infantil. Prático de usar e acessível, o aplicativo de mensagens Whatsapp é o grande aliado desses educadores. É por ele que os vídeos são transmitidos aos pais e responsáveis. Para os alunos mais novos, a prioridade é trabalhar o lúdico. Já para os maiores, é ensinado o conteúdo didático e tarefas para exercitar e reduzir os prejuízos no calendário do ano letivo.

A aluna Letícia Nascimento, do 5º ano do Colégio Santa Luísa de Marillac, aprovou a nova modalidade de ensino. “Pensei que fosse ser mais difícil, mas estou me adaptando”, disse. A mãe de Letícia, Lya Carneiro, destacou o empenho e a dedicação dos professores frente ao desafio da educação à distância. “Agradeço a todos, principalmente à tia Cris, professora da minha filha. As aulas estão muito bem elaboradas e de fácil entendimento para as crianças. O Marillac sempre supera minhas expectativas”, elogiou.

Cristina Melo ressalta a importância da interação, da presença física dos estudantes, mas torce para que, num futuro breve, a educação à distância possa ser uma realidade para a maior parte dos estudantes brasileiros: “Meu desejo como pedagoga é que se pensem em ações práticas para que essa modalidade de ensino se torne real e possível a todos os alunos do nosso Brasil. É uma questão de equidade”.

Ambas as unidades realizam, semanalmente, reuniões remotas com as equipes para acompanhar o andamento das ações. “Está dando tudo certo e ainda matamos um pouco das saudades”, diz Regina da Fonte, diretora do Marillac. Segundo Esmeralda Moura, ainda não é possível falar em avaliação dos alunos. “Infelizmente não temos ideia como será o segundo semestre. Apesar dos nossos esforços, como instituição filantrópica, sabemos que esse método EAD não é fácil e não é tão eficaz para todos os alunos. Há uma disparidade entre o acesso e a compreensão do conteúdo. Mas estamos atentos às determinações legais e estamos nos preparando, sempre pensando em nossas crianças”, finalizou.

 

Confira no clipe abaixo alguns momentos e relatos sobre como está sendo esse desafio do ensino à distância em nossas unidades:
 
 

 

Texto: Cínthia Carvalho – Comunicação Santa Casa Recife

Fotos cedidas por professores e autorizadas pelos pais dos alunos