Atletas do Instituto de Cegos do Recife são destaque nos Jogos Paralímpicos do Recife

Os alunos do Instituto de Cegos Antônio Pessoa de Queiroz (IAPQ), instituição mantida pela Santa Casa Recife, fizeram bonito nos Jogos Paralímpicos do Recife, evento que aconteceu entre os dias 11 e 13 de outubro e envolveu cerca de 350 paratletas pernambucanos. O IAPQ foi destaque, mais uma vez, na modalidade goalball, conquistando o ouro na categoria masculino. No feminino, as duas equipes da unidade disputaram a final entre si, o que rendeu mais duas medalhas para a Santa Casa. Já na modalidade Futebol de 5, os atletas do IAPQ foram campeões absolutos: os três times dominaram o pódio, levando as medalhas de ouro, prata e bronze.

Além disso, o IAPQ foi, por mais um ano, uma das sedes do evento, que é realizado pela Prefeitura do Recife, por meio da Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer (Seturel). De acordo com o técnico de goalball do IAPQ, Edmar Sampaio, conduzir uma equipe de paratletas é de um aprendizado imensurável. “Meu maior desafio é poder sempre proporcionar a eles algo novo dentro da modalidade, fazê-los se perceberem capazes”, conta.

Há cerca de dez anos comandando a equipe do IAPQ, Edmar diz ter aprendido muito além do quesito esportivo com os seus atletas. “Aprendi acerca de superação, de persistência, de valorização do ser humano”, afirma. “Todo o grupo é bastante unido, sempre estão um apoiando”.

Lucas Janiel, de 19 anos, entrou no IAPQ quando tinha 7 anos e se tornou atleta do time de goalball em 2016. Para ele, participar dos jogos é sinônimo de determinação. “Toda vez que eu entro em quadra é como se eu me sentisse completamente livre da minha deficiência. Eu posso fazer algo que eu realmente gosto e que me deixa muito feliz”, conta. O diferencial do grupo, segundo o atleta, é justamente a troca de experiência entre todos que compõem o time. “O diferencial, para mim, são as nossas experiências separadas se unindo e resultando no melhor para a nossa equipe”.

Uma de suas maiores inspirações, segundo Lucas, é a família e o seu treinador, Edmar Sampaio. “Minha mãe e meu pai me inspiram muito, eles me ajudam a crescer cada vez mais, sempre querendo o melhor pra nós”, disse. “Meu treinador me ensina a querer ser igual a ele, uma pessoa responsável e educada. O meu melhor amigo!”, afirma o jovem.

Confira algumas fotos:

Texto: Comunicação Santa Casa Recife
Fotos: Acervo IAPQ